Raloim? Que diabeisso?

Bora fazer uma assombração bem Brasileira.

Alamoa
Duende feminino que aparece na ilha Fernando de Noronha.
É uma mulher branca, loura, nua, tentando os pescadores ou caminhantes retardados. Transforma-se num esqueleto, endoidecendo o namorado que a seguiu. Aparece também como uma luz ofuscante, policolor, perseguindo quem foge dela. Sua residência é o Pico, elevação rochosa, de mil pés de altura, absolutamente inacessível.

Anjo Corredor
No folclore do Estado das Alagoas, o “Anjo Corredor” é um homem com um cacete ou cajado, que caminha sem parar a vida toda, batendo nas cancelas dos engenhos. As crianças, quando ouvem falar, trepam-se nas cumeeiras das casas, e as mães de família fecham as portas. O Anjo Corredor, como se deduz, age apenas percutindo nas porteiras e o rumor anuncia sua aproximação fantástica. 

Cabra-Cabriola
Terrível papão para meter medo aos meninos e contê-los nas suas travessuras. Segundo os nossos contos populares, a Cabra-Cabriola é um horrível monstro, de enormes fauces e dentes agudíssimos, a deitar fogo pelos olhos, pelas narinas e pela boca, e que nas suas excursões noturnas, para dar pasto à sua voracidade, astuciosamente, penetra nas habitações e devora quantos meninos encontra.

Capelobo / Cupelobo
Animal fantástico, de corpo humano e focinho de anta ou de tamanduá, sai à noite para rondar os acampamentos e barracões no interior do Maranhão e Pará, matando cães e gatos recém-nascidos para devorar. Encontrando bicho de porte ou caçador, rasga-lhe a carótida e bebe o sangue. Só pode ser morto com um tiro na região umbilical. É o lobisomem dos índios, dizem. Denuncia-se pelos gritos e tem o pé em forma de garrafa. 

Gritador
Duende do vale de São Francisco. “O Gritador é também conhecido como “Zé-Capiongo”, e vive gritando dentro da noite. Contam que ele é a alma de um vaqueiro que, desrespeitando a Sexta-Feira da Paixão, saiu a campear e nunca mais voltou. Sumiu misteriosamente com o cavalo, o cachorro e a rês que campeava. Virou assombração. Hoje vive gritando no mato, aboiando uma boiada invisível como ele. É o Gritador. Embora os seus gritos sejam mais ouvidos durante a noite, o Gritador não tem hora para gritar. Dizem que até ao meio-dia ele clama no meio do mato, assombrando os vivos, assustando os bichos.

Guajara
Duende de Almofala, município de Acaraú, Ceará.
Manifesta-se nas noites de inverno, raras vezes nos dias de verão, imitando vozes de animais, ruídos de caçador, pescador, colhedor de mel de abelhas, fingindo cortar árvores, assombrando os viajantes que passam perto do seu mangue e mesmo surgindo, como um pato, nas residências próximas, perturbando a tranqüilidade normal. A tradição comum fá-lo invisível, determinando o pavor pela diversidade da simulação. Açoita os cães, que podem sucumbir depois do suplício. Grita, acompanha o viandante. Chamam-no também Guari e Pajé do Rio. 

João Galafuz
Nome com que a superstição popular designa uma espécie de duende, que diz aparecer em certas noites, emergindo das ondas ou surgindo dos cabeços de pedras submersas, como um facho luminoso e multicor, prenúncio de tempestade e naufrágios; crença essa dominante entre os pescadores e homens do mar do norte do Estado de Pernambuco, e principalmente de Itamaracá, dizendo-se que esse duende marinho é a alma penada de um caboclo, que morreu pagão, acaso conhecido por João Galafuz.
A superstição tem curso também em outros Estados, nomeadamente em Sergipe, com o nome de Jean de la Foice.  

Labatut
É um monstro com forma humana, antropófago, vivendo na região de fronteira do Ceará com Rio Grande do Norte, especialmente no chapadão do Apodi.
“Labatut é um bicho pior que o lobisomem, pior que a burrinha e pior que a caipora e mais terrível que o cão coxo. Ele mora, como dizem os velhos, no fim do mundo, e todas as noites percorre as cidades para saciar a fome, porque ele vive eternamente esfaimado. Anda a pé: os pés são redondos, as mãos compridas, os cabelos longos e assanhados, corpo cabeludo, como o porco-espinho, só tem um olho na testa, como os cíclopes da fábula, e os dentes são como as presas do elefante. Ele gosta mais dos meninos, porque são menos duro que os adultos. Ao sair da lua, ele, que anda ligeiro, entrará pelas ruas, num trote estugado, parando às portas, para ouvir quem fala, quem canta, quem assobia e quem ressona alto e… trás! Devorar!… Os cães dão sinal, latindo-lhe atrás!”

Num-Si-Pode
“Não-se-Pode” é um fantasma que aparece na praça da Igreja de N. S. das Dores, em Teresina, Piauí. Mulher de talhe desmesurado, com alvíssima mortalha, surge nas noites e madrugadas, determinando um pavor irresistível. Não se pode afrontar aquele assombro, espalhador de um medo indizível (informação de Vítor Gonçalves Neto, Teresina, Piauí). 
Registrou-a em versos o Sr. João Terry (Chapada do Corisco, 28-29, Teresina, 1952). 

Pai-do-Mato
Nas tradições folclóricas de Alagoas, o pai-do-mato é um bicho enorme, mais alto que todos os paus da mata, cabelos enormes, unhas de 10 metros, orelhas de cavaco. O urro dele estronda em toda a mata. À noite, quem passa na mata ouve também a sua risada. Engole gente. Bala e faca não o matam, é trabalho perdido. Só se acertar numa roda que ele tem em volta do umbigo. Em alguns “reisados”, aparece uma figura representando o entremeio do pai-do-mato, sob a forma de um sujeito feio, de cabelos grandes. É comum a expressão entre as mães de família, a propósito dos filhos que estão com cabelos grandes, sem cortar: “Está que é um pai-do-mato.” “Você que é um pai-do-mato.” “Você quer virar pai-do-mato, menino?”

 Fonte: http://www.nordesteweb.com/links12/nelink_2104.htm

 

 

Anúncios

Todo cabra tem valor.

Seminário na UFPE discute Mídia e Criminalização da Pobreza

No dia 29/10/2009, quinta-feira, o Departamento de Comunicação e o Programa de Pós-graduação em Comunicação da UFPE, através do Programa Coque Vive de extensão, irão realizar o Seminário Mídia e Criminalização da Pobreza – Estigmas e Alternativas, com o objetivo de discutir o papel da mídia no reforço à exclusão social de comunidades pobres. O seminário será realizado no Auditório do Programa de Pós-graduação em Comunicação da UFPE, localizado no Centro de Artes e Comunicação (CAC), das 14h30 às 17h30.

Criado em 2006, o projeto de extensão Coque Vive, hoje um programa com apoio dos Ministérios da Cultura, (MinC) da Educação (MEC), e da Pró-reitoria de Extensão da UFPE (PROEXT-UFPE), tem atuado na comunidade do Coque com o objetivo de, juntamente com moradores da comunidade, construir mídias mais próximas à sua realidade. Reconhecido pelo Prêmio Caixa de Jornalismo Universitário, pelo prêmio ponto de Mídia Livre do Minc, e pelo o Prêmio Educação em Direitos Humanos, o Programa Coque Vive propõe repensar as relações humanas entre diversos grupos sociais da cidade, no sentido de estabelecer vínculos mais favoráveis, compreendendo a cidade como um espaço compartilhado por todos que a habitam.

Sobre os Participantes do Seminário:

Alexandre Simão Freitas é professor do Centro de Educação da UFPE, doutor em Sociologia pela UFPE, com pesquisas sobre juventude, exclusão e processos de mudança.
Leonardo Rocha é defensor público federal e chefe da Defensoria Pública da União em Pernambuco.
Maria Eduarda Rocha é professora de Sociologia na UFPE, doutora em Sociologia pela USP,com ênfase em sociologia da comunicação, consumo e democracia.
Yvana Fechine é professora de Comunicação na UFPE, doutora em Comunicação pela PUC-SP e coordenadora do Projeto Coque Vive.
João Valadares é jornalista do Jornal do Commercio e fundador do Blog PE BodyCount.
Ridivaldo Procópio é integrante do Movimento Arrebentando Barreiras Invisíveis – Coque.
Maria Bernardete Azevedo é procuradora de justiça e coordenadora do GT contra o Racismo Institucional do Ministério Público de Pernambuco.

Inscrições no dia do evento. Vagas limitadas.

Fonte: http://www.cultura.gov.br/site/2009/10/22/seminario-na-ufpe-discute-midia-e-criminalizacao-da-pobreza/

Vá ligeiro.

Seminários e Oficinas
MinC promove encontros presenciais e virtuais para formar agentes culturais

Com objetivo de capacitar de forma continuada os agentes culturais das esferas pública e privada, e qualificar a demanda no setor cultural, o Ministério da Cultura promove, por meio da Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura (Sefic/MinC), o Programa de Capacitação em Projetos Culturais.

Além dos encontros presenciais, o cronograma deste ano – que terá início em novembro – contará com módulos pela Internet, disponibilizados em uma página para cadastro na plataforma de ensino à distância do MinC, para inscrição na etapa preliminar. A iniciativa também tem a participação da Secretaria de Políticas Culturais (SPC/MinC) e a parceria do Serviço Social da Indústria (SESI) e do Itaú Cultural.

Serão contempladas cidades do Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país, e do Espírito Santo e Santa Catarina. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Sistema de Informações do MinC apontam nessas regiões e estados desequilíbrios relacionados à estruturação de órgãos públicos na área da Cultura, à criação de leis de incentivo e a investimento em fundos, dentre outros aspectos.

A capacitação – que é uma das ações do Ministério da Cultura direcionadas para a atenuação desse quadro – visa difundir conteúdos, práticas e abordagens que ofereçam base para a elaboração de projetos culturais alinhados às políticas públicas e com a consistência necessária para buscar parcerias e apoios diversificados.

Confira o cronograma.

Saiba mais sobre a iniciativa.

(Texto: Sheila Rezende, Comunicação Social/MinC)
(Fonte: Sefic/MinC)
http://www.cultura.gov.br/site/2009/10/16/programa-de-capacitacao-4/

É Copa? É do mundo? Então bora se avexar.

Pernambuco investirá R$ 1,3 bilhão em mobilidade urbana até 2014
Ampliação do metrô nos dois sentidos e duplicação da BR-408 estão nos planos para a Copa
 
A doze dias da abertura da licitação da Cidade da Copa, em São Lourenço da Mata, na Grande Recife – que contempla o estádio do Mundial 2014 e empreendimentos imobiliários – a capital pernambucana vive não só a expectativa de ter uma super-arena nos moldes da Fifa, mas principalmente a de desenvolver projetos de mobilidade urbana.

Há cerca de um mês, em reunião de representantes do Recife com o Ministério das Cidades, ficou definido que a cidade receberá investimentos de até R$ 1,3 bilhão em transportes, principalmente no de uso coletivo no sentido norte-sul da região metropolitana.

Atualmente, o setor de transportes de Pernambuco vive um momento ímpar. A ampliação do metrô nos sentidos centro-sul e centro-oeste e a construção de uma nova estação no final da linha oeste – a aproximadamente 1 km do novo estádio – permitirá ao turista chegar rapidamente ao aeroporto.

Segundo o secretário da Casa Civil de Pernambuco e coordenador do Comitê da Copa do Recife, Ricardo Leitão, o maior déficit na infraestrutura de mobilidade urbana da cidade diz respeito à falta de trens e vagões para que as ações referentes ao metrô sejam executadas. Pensando nisso, a comitiva pernambucana solicitou a CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos) 15 trens, de quatro vagões cada.

“Os investimentos não se resumem apenas ao metrô. Algumas obras do PAC em prol da Copa estão em andamento, como é o caso da duplicação da BR-408 (obra orçada em R$ 250 milhões), pista que passa ao lado do terreno em que será construída a Cidade da Copa”, concluiu Leitão.

Fonte: http://www.copa2014.org.br/noticias/Noticia.aspx?noticia=1386

Precisão de matutar.

Análise da Migração Interna no Relatório de Desenvolvimento Humano do PNUD Brasil – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

“A migração poderá ser uma força impulsionadora da convergência salarial e de rendimento entre as áreas de origem e as áreas de destino. Isto porque, com o aumento da mobilidade entre as duas regiões, os seus mercados de trabalho tornam-se mais integrados e grandes diferenças
salariais tornam-se mais difíceis de manter. Existem consideráveis evidências históricas, analisadas no capítulo 2, de que a optimização da mobilidade está associada à redução das disparidades salariais entre os países. Por seu lado, as desigualdades dentro dos países poderão seguir um padrão convexo com o decorrer do tempo: o progresso em algumas áreas cria riqueza e por isso aumenta a desigualdade, o que encoraja a migração que, por sua vez, com o decorrer do tempo, tende a reduzir a desigualdade. Os estudos têm associado uma maior mobilidade de trabalho interna com a redução de disparidades de rendimento inter-regionais no Brasil, na Índia, na Indonésia e no México. “
(Fonte: Relatório de Desenvolvimento Humano 2009 – Ultrapassar barreiras: Mobilidade e desenvolvimento humanos. pg. 77)

Acesse o relatório completo: clique aqui.

Fonte: http://www.pnud.org.br/cidadania/reportagens/index.php?id01=3323&lay=cid

Todo mundo bem aprumadinho.

meninomaluquinhoHoje é Dia do Nordestino.

Outro dia, meu pai me falou que os nordestinos construíram São Paulo. Eu achei estranho, pois São Paulo é um estado do Sudeste e os nordestinos são as pessoas que nasceram na Região Nordeste; então, como é que eles puderam construir São Paulo? Depois, meu pai explicou que o Nordeste – formado pelos estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia – é uma região que sofre muito com as secas e, por isso, muitos nordestinos acabaram deixando suas cidades para buscar emprego e uma vida melhor em outros lugares do país.  Assim, eles partiram para as grandes cidades e, como muitos deles não tinham estudo, viraram pedreiros e construíram mesmo os enormes prédios que hoje fazem parte da paisagem de cidades como São Paulo. Essa força toda mostra que os nordestinos são pessoas alegres, inteligentes e que lutam por sua sobrevivência. Além disso, eles também preservam muito o folclore e as tradições de sua região. Com isso, preservam a história e a cultura do nosso país. Eles merecem nossa admiração!

Fonte: http://www.meninomaluquinho.com.br/paginahistoria/default.asp

Vô Imbolá
Zeca Baleiro

Pra cabras machos, valentes e arretados.

Pontão do Piauí organiza o 4º Encontro Nacional de Cinema dos Sertões

O 4º Encontro Nacional de Cinema dos Sertões se realiza entre 1º e 12 de dezembro e terá Floriano (PI) como cidade sede do evento, dando oportunidade a mais de oitenta Pontos de Cultura do Brasil exibirem suas produções. O público estimado é de 20 mil espectadores, entre comunidade e artistas. O evento abre novas portas para o cinema brasileiro, tornando-se definitivamente o maior encontro de cinema para artistas veteranos e estreantes (o regulamento e a ficha de inscrição encontram-se logo após o texto).

A realização do Encontro Nacional vem fortalecer o trabalho desenvolvido pelos profissionais da área, projetando as produções feitas a partir de projetos sociais e Pontos de Cultura. Durante a programação haverá atividades diversificadas, desde a exibição de longas, curtas, obras de ficção e documentários a oficinas, palestras e workshop.

Em sua quarta edição, o Encontro Nacional de Cinema dos Sertões conta com o apoio da Petrobras, Ministério da Cultura e Governo do Piauí. A realização é do Pontão de Cultura “Cultura Viva ao Alcance de Todos” e Escalet Produções Cinematográficas.

Os primeiros Encontros de Cinema dos Sertões tiveram seu ponto inicial nas mostras promovidas durante as oficinas de audiovisual realizadas em cidades do interior do Piauí. Entre setembro 2006 e dezembro de 2008 foram realizadas oficinas nas cidades de Redenção do Gurgueia, Picos e São Raimundo Nonato, oferecidas para a comunidade em geral e participantes de Pontos de Cultura.

Escalet Produções Cinematográficas

A produtora vem trabalhando o audiovisual no Piauí desde 2001, com o objetivo de promover o aumento na qualidade das produções audiovisual no Estado, resgatando fatos que fazem parte do cotidiano nordestino e histórias do nosso povo. O trabalho é feito de forma a garantir de forma profissional a preservação da memória imaterial brasileira. Também são promovidos cursos, oficinas, workshop, seminários e debates sobre cinema.

Ao perceber a necessidade de criar novos espaços para que produtores e artistas pudessem exibir e discutir suas produções, a Escalet realizou entre 2006 e 2008, em parceria com a Fundação de cultura do Piauí e a Rede de Pontos de Cultura do estado, encontros de cinema envolvendo artistas, produtores e comunidade. A participação dos produtores e artistas ligados a Pontos de Cultura e projetos sociais que trabalham com audiovisual foi de grande importância para continuidade do evento, tornando essa participação a característica principal do evento.

4º Encontro Nacional de Cinema dos Sertões

Regulamento
Ficha de inscrição

Fonte: http://www.cultura.gov.br/cultura_viva/?p=1019